ARTIGO: Dia dos Namorados, Liquidez e Capitalismo

Dia dos Namorados, Liquidez e Capitalismo

Em pleno advento da globalização, da proximidade virtual, da redução das enormes distâncias geográficas, da praticidade, da internet, das rede sociais, chegamos a mais um dia dos namorados. É tão interessante que enquanto as sociedades mudam seus comportamentos acerca de diversos assuntos, ainda continuam tradicionalmente presas a certas datas que foram idealizadas para um contexto totalmente diverso do que vivemos hoje.

O dia dos namorados, anteriormente, era visto como o dia de celebrar as relações, mas, atualmente, vemos relações que vão e vem de maneira tão rápida que quase não dá tempo de alguma celebração. Ao mesmo tempo que as pessoas querem algum compromisso, não querem mais, porque a vida “prática” e a “busca” pelo “sucesso individual” não permite que o ser humano se prenda a um relacionamento que possa interferir em sua trajetória.

A multiplicidade das identidades intitulada como “sujeito pós-moderno” por Stuart Hall, vai de encontro ao amor líquido que Zigmunt Bauman previa em 2003, onde falava também sobre a solidão nas grandes cidades e a desconfiança entre as pessoas, tudo isso, causado pela falha do Estado em proteger o ser humano contra seus infortúnios individuais.

Ao assumir a responsabilidade de autoproteção, antes delegada ao Estado, o resultado se deu na quebra e no enfraquecimento dos vínculos humanos, gerando a fluidez e a liquidez nos relacionamentos e a inconstância nos compromissos.

Mas ainda há tempo de salvaguardar nossos relacionamentos? Ainda há tempo de solidificar as relações? Creio que sim. Basta deixarmos de substituir a sociedade do espetáculo, apontada por Guy Debord, pela vida “real”, ou seja, valorizarmos mais as pessoas do que as coisas. Assim, poderemos talvez entender porque as consciências coletivas, formadas pelo consenso das consciências individuais (Durkheim), insistem, mesmo no meio de tanta liquidez, conclamar o Dia dos Namorados.

Será que tudo isso não se revela na sede de relacionamentos mais duradouros, ou simplesmente é saudade? Interessante se pensar porque no meio de tanta obsolescência programada, onde se prega a todo canto a importância do sucesso individual o dia dos namorados, que seria o dia daqueles que vivem e sonham em crescer juntos, ainda esteja viva nas nossas sociedades. Uma coisa pode ser dita, ou todo este paradoxo já se explica na dita saudade, ou tudo isso pode ser ainda pior, ou seja, apenas mais um alvo do desenfreado capitalismo.

Por: Paulo Sergio Gonçalves

Professor de Sociologia e coordenador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas da Estácio

CATEGORIES
TAGS
Share This

COMMENTS

Wordpress (0)
Disqus (0 )